desabafo

 

ok, quem me segue sabe (acho eu) que não sou de andar a chorar pelos cantos. refilo, enervo-me, digo muita coisa sem medir as palavras e por vezes falo até demais, expondo problemas que tenho e que devia guardar só para mim e para quem está envolvido. mas tb devem saber que ultrapasso as coisas relativamente rápido e que sou, a meu ver, muito positiva. 

da primeira vez que o Mário foi, e uma vez que não estávamos bem nessa altura, lidei bem com a coisa. chorei no abraço de despedida, chorei quando cheguei a casa e, depois de dormir (eram 7 ou 8 da manhã quando cheguei) fiz-me forte e aguentei-me aqueles 3 meses (quase) sem derramar lágrimas.

ontem ele voltou a ir. depois de dois meses a vê-lo (quase) todos os dias; depois de dois meses a adormecer com a imagem dele e a acordar tb com ele a ser a primeira pessoa que via; depois de dois meses de uma vida de casal, embora numa casa que não é nossa, ele voltou para França. e, desta vez, levou uma grande parte de mim com ele.

agora si, dou por mim  a chorar pelos cantos. a imagem dele agachado ao lado da cama da Eva, a fazer-lhe festinhas enquanto a vê dormir, numa espécie de despedida silenciosa, não me sai da cabeça. cada lágrima que ele derramou naquele momento foi como se me espetassem um punhal no coração. e quando se abraçou a mim a chorar não me contive, e chorei também. foi a despedida mais dificil que alguma vez tive e custa-me tanto não ter data definida para voltar a vê-lo! não poder contar os dias para voltar a ver a felicidade no seu rosto ao pegar na filha e para voltar a sentir o seu abraço...

 

e como é tipico, desde que comecei a sentir a ida dele próxima que me sinto sozinha. sinto que ninguém liga aos meus desabafos, que ninguém se importa com a minha tristeza... e sei que é estupidez minha! ou acho eu que deve ser.. sinto falta de carinho e de miminho. sinto falta de falar com alguém sem ter de me preocupar com o que a outra pessoa pensa, pelo simples facto de já conhecer (quase) tudo sobre mim. e no meio de tanta dificuldade não sei mais para onde me hei de virar. sinto-me desamparada e ver que aqueles que estão comigo pouco podem fazer para me ajudar (e nem se importem muito com isso) deixa-me em pânico.

 

só quero ir para França ter com o Mário. quero deixar-me cair nos braços dele, sentir o conforto invadir-me e esquecer-me de tudo por momentos. quero sentir felicidade e amor, sem pensar que daqui a uns dias acaba.

By Sara às 01:18 | comentar | favorito
tags: